27Novembro2020

Comunicação Informativos O que está por trás da Reforma da Previdência?

O que está por trás da Reforma da Previdência?

  • PDF
Com a reforma da Previdência, o que ocorrerá na prática é que os trabalhadores e trabalhadoras trabalharão por mais tempo, contribuirão por mais tempo e terão sua aposentadoria progressivamente arrochada com a crescente elevação do custo de vida.

O que já é ruim vai piorar

Nas cidades, os homens já se aposentam com a idade mínima de 65 anos. Isso está mantido no texto da reforma da Previdência.
 Porém, o tempo mínimo de contribuição que hoje é de 15 anos, aumentará, segundo o texto proposto pelo governo para 25 anos, ou seja, 10 anos a mais de contribuição.
Para as mulheres trabalhadoras a perspectiva é ainda pior caso a reforma da Previdência seja aprovada.
Se hoje elas se aposentam com 60 anos, passariam a se aposentar aos 62.
O tempo mínimo de contribuição proposto para as mulheres também é de 25 anos.
Para tentar aprovar o texto da reforma, o governo abriu  exceção para os professores das redes públicas o e policiais federais, que se aposentariam com idade mínima de 55 anos.

 Trabalhadores rurais

Os trabalhadores rurais (homens) se aposentam atualmente com idade mínima de 60 anos. Já o tempo mínimo de contribuição para esses trabalhadores aumentaria de 10 para 15 anos.
As trabalhadoras rurais terão a idade mínima de trabalho aumentada de  55 para 57 anos com 15 anos de tempo mínimo de contribuição.
Uma vida de esforço e contribuição para uma aposentadoria precária
A expectativa de vida dos brasileiros, segundo dados do IBGE, gira em torno de 75 anos.
Qual a perspectiva dos trabalhadores brasileiros com a proposta de reforma da previdência do governo?
Trabalhar uma vida inteira, contribuir durante metade da vida, para ter uma aposentadoria mínima. Ao se aposentar, os trabalhadores e trabalhadoras, cansados, com a saúde debilitada, não têm sequer condições de arcar com os gastos com remédios, alimentos e moradia.
Muitos trabalhadores, com idades avançadas, têm que retornar ao mercado de trabalho em péssimas condições para complementar a renda.
O governo quer que a população morra trabalhando e sem direitos.
A luta contra a reforma da previdência é, portanto, uma luta de todos. Daqueles que já se aposentaram, daqueles que ainda estão trabalhando e dos jovens, que correm o risco de entrar no mercado de trabalho já sem perspectiva de se aposentarem.
É preciso resistir e lutar contra a reforma da Previdência!